18.1 C
Porto Alegre
sexta-feira, novembro 20, 2020
Início Drive - Dicas Parar ou não o carro quando se passa de (R) para (D)...

Parar ou não o carro quando se passa de (R) para (D) no câmbio automático?

Pense em parar em um semáforo enquanto enfrenta uma subida íngreme. Quando você tira o pé do freio, seu carro começa a girar um pouco para trás antes que a energia seja transmitida pelo fluido e o carro começa a avançar.

O mesmo acontece quando você muda (de (R) para (D) no seu câmbio automático),  antes de estar totalmente parado.

Em um mundo perfeito, ninguém mudaria de direção do carro automático enquanto ainda rolava para trás. É claro que, em um mundo perfeito, ninguém precisaria se preocupar em fazer seu carro durar para sempre.

Então, vivemos em um mundo imperfeito. E no mundo real, muitas pessoas fazem. Enquanto estiver a menos de um quilômetro ou dois por hora, estará causando um dano mínimo à sua transmissão automática , passando de marcha ré para direção oposta.

Nos câmbios automáticos,a propulsão é conduzida através de um fluido viscoso (fluido de transmissão automática – ATF).

Portanto, não é como se houvesse uma conexão mecânica rígida entre todas as partes unidas. O fluido absorve parte dessa transição.

É bom para a transmissão automática? Não. Mas a essa velocidade baixa, é improvável que esteja causando muito dano também.

Se, por outro lado, está saindo da garagem a 10 km / h, e, em vez de usar os freios, mudasse de direção para parar o carro (trocando de (R) para (D) para seguir em frente, provavelmente está diminuindo a vida de sua transmissão automática.

Considere-se ainda que diferentes tipos de câmbios automáticos sofrerão diferentes níveis de impactos com essas alternâncias. Um automático convencional / tradicional (hidramático) sofre impactos internos que futuramente podem apresentar sintomas no seu câmbio do tipo “patinação” e“trancos”, com desgaste nos  componentes internos de fricção, como cintas, diferentemente de um DSG.

Um câmbio automático DSG (dupla embreagem) em particular pode ser tanto com discos rígidos convencionais, como nos câmbios mecânicos, como também com acoplamento hidráulico (conversor de torque).

Temos ainda o câmbio CVT(transmissão continuamente variável) onde a marcha ré funciona de outra forma. (brevemente vamos falar um pouco mais)

No entanto, independentemente do modelo de câmbio, o mais importante sobre esta dúvida pertinente, ou ingênuo equívoco causado pela pressa nos dias atuais, é que deve-se fazer todos os esforços para lembrar de PARAR completamente antes de mudar de (R) para (D). Com uma ação simples, se pode potencialmente prolongar a vida útil de seu carro.

Essas e outras dicas você vai encontrar nos acompanhando no nosso blog semanalmente.

- Advertisment -

cadastre-se

Cadastre-se GRATUITAMENTE e receba nossas notícias, dicas exclusivas e promos no seu e-mail.

MAIS POPULARES

O câmbio CVT se tornará a nova transmissão automática padrão? Eles são realmente duráveis?

Contra fatos não há argumentos Definitivamente não. Pouquíssimos fabricantes se comprometeram com eles, com a...

Você precisa de um radiador no seu câmbio automático?

O superaquecimento é como criptonita para seu câmbio automático. As transmissões funcionam melhor quando podem permanecer frias. No inverno, as...

Automático… econômico? É possível isso?

Confira conosco essa lista com 10 modelos que irão tira-lo da mesmice de ainda ter um carro com cambio manual.

Hyundai e Kia desenvolvem câmbio automático com sistema de inteligência artificial

A tecnologia aplicada com interferência no câmbio. O ICT Connected Shift System usa software inteligente na Unidade de...
- Advertisment -

TAGS